quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

IRMÃO

Saindo de saco ao ombro, contigo sempre a meu lado, sem ninguem nos aguardar, só tu meu irmão, só tu.
Percorremos o caminho na infinita escuridão daquela tarde de sol, senti bem junto da minha o aperto da tua mão. Nas horas que se seguiram de penumbra e solidão, medos lamúrias e choros, quem sempre esteve a meu lado? Só tu, meu irmão, só tu. Seguiram-se dias incertos de revoltos pensamentos, horas amorfas tormentos, e quem estava lá então? Só tu, meu irmão, só tu. Por onde outros andariam que pro inferno me empurraram, de quando em ves reparei de soslaio me olharam, tambám tristes, amargurados, por desfechos inesperados, talvez nunca o saberei, sei sim e sei muito bem, que em horas de ninguem quem estava lá então? Só tu, meu irmão só tu. E em ti tantas vezes vi lágrimas de dor e tristeza talvez por me veres ali.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. vê se animas e se arribas e deixa-te de lamúrias e sofrimentos,vai em frente e esquece a m..... do passado.

    ResponderEliminar
  3. acerta o relogio sao neste momento 17:21horas e nao 9:21

    ResponderEliminar
  4. Proponho, com efeitos imediatos, a mudança do nome do blog.
    Fim ao Ode à Desgraça, viva a Ode à Mudança.

    ResponderEliminar
  5. GRANDE MENTALISTA ASSIM É QUE SE FALA ODE A MUDANÇA COMO MUITAS VEZES OUVIMOS P´RA FRENTE É QUE É VIVER.

    ResponderEliminar